Revista de Economia e Sociologia Rural
https://www.revistasober.org/article/5d87d8f90e88256d2539c6a1
Revista de Economia e Sociologia Rural
Artigo original

ATACADO DE PRODUTOS AGRÍCOLAS NO BRASIL: RECOLOCANDO O PROBLEMA DE INTERMEDIAÇÃO E DAS ALTAS DE PREÇOS

MAURO MÁRCIO OLIVEIRA

Downloads: 0
Views: 650

Resumo

Neste trabalho discute-se,em teoria,a secular tese da capacidade de o "setor atacadista" de produtos agrícolas manipular oferta e preços, transformando-se em fonte inflacionária autônoma. Acredita-se que os motivos que inspiraram Soares a defender tal tese, há 130 anos, já não sejam inte- gralmente os mesmos, a despeito de serem repetidos, com insistência, ao longo da história da econo- mia brasileira. As idéias defendidas neste trabalho são: 1) Há que se tratar separadamente a ocorrên- cia de imperfeições de preços na circulação, provocada pelo oligopólio na órbita da produção. 2) A abordagem atual do problema deve diferenciar a formação de preços para os produtos que se desti- nem ao consumo final imediato (flexprice) daquela para os que funcionam como matérias-primas para a inddstria (fixprice). 3) É necessário não restringir a investigação somente à formação de pre- ços no atacado, mas entender que, pelo menos no caso brasileiro, o padrão de acumulação, durante décadas centralizado no capital comercial, engendrou um padrão específico de acumulação depen- dente na esfera da produção agrícola e na do varejo de produtos alimentares.

Palavras-chave

capital comercial

Referências

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL. O problema da alimentação no Brasil Relatório Klein& Saks. Ri de Janeiro, 1954. 319p.

CYRILLO, D.C. O papel dos supermercados no varejo de alimentos. São Paulo, IPE/USP, 1987. 198 p. (Ensaios Econômicos, 68).

GISSER, M. Welfare implications of oligopoly in U.S. food manufacturing. American Journal of Agricultural Economics, Massachusetts, v. 64, n2 4, p.616-624, nov. 1982.

GONTIJO, C. A economia da pequena e média empresa. AmUise e Conjuntura. Belo Horizonte, v. 10 n. 4, p.228-236, abr. 1980.

GUIMARÃES, A. Inflação e monop6lio no Brasil: por _que sobem os preços?. Rio de Ja- neiro: Civilização Brasileira, 1963.181 p. (Retratos do Brasil, 4).

HASSE, G. A laranja no Brasil: 1500-1987. A hist6ria da agroindtistria cítrica brasi- leira dos quintais coloniais às fábricas exportadoras de suco do século XX. São Paulo: Duprat& lobe, 1987. 296p.

HICKS, J. Poupança, investimento e o multiplicador. ln: A Crise na Economia Keynesiana. São Paulo, VértJce, 1987. p. 16-29 (Série Biblioteca do Futuro, 7).

HILFERDING, R. Os monopólios, capitalistas e comércio. ln: O Capital Financeiro. São Paulo: Nova Cultura, cap. XIII (Os Economistas).

HOBSON, J.A. Tamanho e estrutura da empresa moderna, ln: A evolução do capitalismo mo- derno. Um estudo da produção mecanizada São Paulo: Nova Cultura, 1985. p.86-106 (Os Economistas).

LABINI, P. S. Oligop6lio e progresso técnico. Rio de Janeiro: Forense, 1980. 306p. (Série Textos Didáticos de Economia, 5).

UNHARES, M. Y. L.; SI_LVA., F. C. T. da. A hist6ria política do abastecimen- to(l918-1974). Brasília: Bmagn, 1979. 240p.

MANOEL, E. O capitalismo tardio. São Paulo: Abril Cultural, 1982. 417p. (Os Economistas).

MILL, J. S. A concorrência e os costumes. ln: Princípios de economia polftica. Com algumas de suas aplicações à filosofia social São Paulo. Abril Cultural, 1983. v. I, cap. IV. (Os Economistas).

OLIVEIRA, M. M. Acumulação na agroindlfstria do leite no Brasil: manifestações e me- canismos. Brasília: UnB, 1980. 157p. Tese de Mestrado.

OLIVEIRA, M. M. Agricultura e inflação sob o capitalismo periférico. Brasília, s.n. 1988. 36p. Mimeografado. •

PARKER, R. C.; CONNOR; J. M. Estimates of consumer loss due to monopoly in the U.S. food-manufacturing industries. American Journal of Agricultural Ecouomics, Massachusetts, v. 61, n2 4, p.626-639, nov. 1979.

POSSAS, M. L. Estrutura de mercado em oligop6lio. São Paulo: HUCITEC, 1985. 202p. (Obras Didáticas).

RANGEL, I. A inflação brasileira. 3! ed. São Paulo: Brasiliense, 1978. 150p.

SOARES1 S. F. Notas estatísticas sobre a produção a_filícola e carestia dos gêneros ali- menncios no ImJ>ério do Brasil Rio de Janeiro: IPEA/INPES, 1977. 366p. (Série Pensa- mento Econômico Ifrasileiro, 2). Reimpressão facsimilar da edição de 1860.

STEINDL, J. Maturidade e estagnação. no capitalismo americano. São Paulo: Abril Cultu- ral, 1983. 264p. (Os Economistas).

TAVARES, M. da C.; SERRA, J. Mais além da estagnação. Uma discussão sobre o estilo de desenvolvimento recente no Brasil Belo Horizonte: Diret6rio Acadêmico da Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG, 1972. 6lp.

VIEIRA, R. DE C.M.T.L.; TEIXEIRA FILHO, A. R. Preços agrícolas e teoria do mark up. Re- vista de Economia e Sociologia Rural, SOBER Brasília, v. 27, n. 1, p.89-105, jan.lmar. 1989.

WICKSELL, K. Lições de economia polftica. São Paulo: Nova Cultural, 1988. 299p. (Os Eco- nomistas).


Submetido em:
20/11/1990

Aceito em:
04/03/1991

5d87d8f90e88256d2539c6a1 resr Articles
Links & Downloads

resr

Share this page
Page Sections