Revista de Economia e Sociologia Rural
https://www.revistasober.org/article/doi/10.1590/1806-9479.2021.228830
Revista de Economia e Sociologia Rural
Artigo Original

Agricultores familiares em canais curtos de comercialização: uma análise quantitativa das feiras municipais

Family farmers in short food supply chains: a quantitative assessment of farmers’ markets

Thiago de Carvalho Verano; Reginaldo Santana Figueiredo; Gabriel da Silva Medina

Downloads: 2
Views: 918

Resumo

Resumo: O potencial de inserção comercial de agricultores familiares em canais curtos de comercialização tem sido explorado por importantes estudos qualitativos. Este trabalho apresenta contribuições adicionais a esses esforços ao quantificar a participação de agricultores familiares nas feiras municipais. Verifica-se em que medida as feiras representam alternativas à inserção comercial ao proporcionar: (a) inclusão socioprodutiva dos agricultores familiares; (b) fortalecimento de canais curtos de comercialização; e (c) alternativa ao sistema agroalimentar industrial. A partir de dados quantitativos de 59 feiras, amostradas de um universo de 369 no estado de Goiás, detectou-se que 42,37% das feiras oferecem oportunidades de inclusão comercial aos agricultores familiares, 32,20% fortalecem canais curtos de comercialização e 35,59% funcionam como alternativa ao sistema agroalimentar industrial. Do total, 10,17% das feiras atendem aos três critérios supracitados concomitantemente. As regressões estatísticas revelam que: (1) quanto menor a porcentagem de atravessadores e maior a de agricultores ligados a organizações, maior é a possibilidade de a feira ter mais bancas da agricultura familiar; (2) quanto maior a relevância da feira como espaço de articulação entre agentes e para a catalisação de novos negócios entre agricultores, maior a possibilidade desse canal exercer influência na criação ou no fortalecimento de políticas públicas.

Palavras-chave

desenvolvimento rural, comercialização, inclusão socioeconômica, feira do produtor

Abstract

Abstract:: Qualitative research projects have revealed the importance of short food supply chains for providing alternatives for family farmers marketing their agricultural goods. This study presents an additional contribution to these efforts by quantifying the participation of family farmers in farmers’ markets at the county level. It assesses to what extent farmers’ markets represent an alternative market channel by providing: (a) opportunities for family farmers selling their goods; (b) functional short food supply chains and; (c) alternatives to the industrial supply chains. Based on quantitative data from 59 markets, sampled from a universe of 369 farmers’ markets in the Brazilian State of Goiás, we found that 42.37% of the farmers’ markets offer opportunities for family farmers, 32.20% promote local short marketing channels, and 35.59% work as an alternative to the industrial agri-food systems. As a whole, 10.17% of the studied farmers’ markets meet the three above-mentioned objectives. Statistical regressions reveal that: 1) the lower the percentage of middlemen and the greater the percentage of family farmers taking part in farming organizations, the greater the number of stands owned by family farmers; 2) the greater the relevance of the farmers’ market in both the organization of farmers and in the catalysis of new business, the greater the positive influence on public policies.
 

Keywords

rural development, commercialization, socio-economic inclusion, farmers’ market

Referências

Bisol, C. A. (2012). Estratégias de pesquisa em contexto de diversidade cultural: entrevistas de listagem livre, entrevistas com informantes chave e grupos focais. Estudos de Psicologia, 29(Supl. 1), 719-726.

Cabana, R. D. P. L., & Ichikawa, E. Y. (2017). As identidades fragmentadas no cotidiano da Feira do Produtor de Maringá. Organizações & Sociedade, 24(81), 285-304.

Conterato, M. A., Niederle, P. A., Radomsky, G., & Schneider, S. (2011). Mercantilização e mercados : a construção da diversidade da agricultura na ruralidade contemporânea. In S. Schneider & M. Gazolla (Orgs.), Os atores do desenvolvimento rural: perspectivas teóricas e práticas sociais (pp. 67-90). Porto Alegre: UFRGS.

Darolt, M. R., Lamine, C., Brandenburg, A., Alencar, M. D. C. F., & Abreu, L. S. (2016). Redes alimentares e novas relações produção-consumo na França e no Brasil. Ambiente & Sociedade, 19(2), 1-22.

De Nazareth, M., & Wanderley, B. (2014). O Campesinato Brasileiro : uma história de resistência. Revista de Economia e Sociologia Rural, 52(1), S025-S044.

Dias, V. V., Révillion, J. P., & Talamini, E. (2017). Cadeias curtas de alimentos orgânicos: aspectos das relações de proximidade entre consumidores e agricultores no Brasil. In M. Gazolla & S. Schneider (Orgs.), Cadeias curtas e redes agroalimentares alternativas: negócios e mercados da agricultura familiar. Porto Alegre: UFRGS.

Faulim, E. J., & Azevedo, P. F. (2003). Distribuição de hortaliças na agricultura familiar : uma analise das transações. Informações Econômicas, 33(11), 24-37.

Feenstra, G. (2002). Creating space for sustainable food systems: Lessons from de field. Agriculture and Human Values, 19, 99-106. http://dx.doi.org/10.1023/A:1016095421310

García-Barquero, M. E. (2016). Análisis del comportamiento de mercado en las ferias del agricultor de la Gran Área Metropolitana. Revista Tecnología en Marcha, 29(1), 83. http://dx.doi.org/10.18845/tm.v29i1.2541

Gaspari, L. C. D., & Khatounian, C. A. (2016). Características das famílias, estruturação da produção e estratégias de comercialização em um assentamento de reforma agrária. Revista de Economia e Sociologia Rural, 54(2), 243-260.

Godoy, W. I. (2005). As feiras-livres de Pelotas, RS: estudo sobre a dimensão sócio-econômica de um sistema de comercialização (Tese de doutorado). Universidade Federal de Pelotas, Pelotas.

Goodman, D. (2017). Espaço e lugar nas redes alimentares alternativas: conectando produção e consumo. In: S. Schneider & M. Gazolla (Orgs.), Cadeias curtas e redes agroalimentares alternativas – negócios e mercados da agricultura familiar (p. 59-82, 1ª ed). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Granovetter, M. (1985). Economic Action and Social Structure: the problem of Embeddedness. American Journal of Sociology, 91(03), 481-510.

Hespanha, P., Hespanha, P., & Namorado, R. (2009). Da expansão dos mercados à metamorfose das economias populares. Revista Critica de Ciencias Sociais, (84), 49-63.

Hinrichs, C. C. (2000). Embeddedness and local food systems: Notes on two types of direct agricultural market. Journal of Rural Studies, 16(3), 295-303.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2017). Dados do Censo Agropecuário. Rio de Janeiro.

Klock Filho, L. P., Vasques, S. T., & Godoy, W. I. (2016). Organizações sociais e canais de comercialização acessados por agricultores agroecológicos : um estudo de caso na feira-livre de Chapecó/SC. Colóquio Revista do Desenvolvimento Regional, 13(1), 109-121.

Maluf, R. S. (2004). Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil : agregação de valor, cadeias integradas e circuitos regionais. Ensaios FEE, 25(1), 299-322.

Medina, G., Almeida, C., Novaes, E., Godar, J., & Pokorni, B. (2015). Development conditions for family farming: lessons from Brazil. World Development, 74, 386-396. http://dx.doi.org/10.1016/j.worlddev.2015.05.023

Ministério do Desenvolvimento Social - MDS (2014). Mapeamento de segurança alimentar e nutricional nos estados e municípios: resultados preliminares. Brasília: MDS.

Model, P. A., & Denardin, V. F. (2014). Agricultura familiar e a formação de circuitos curtos de comercialização através das feiras livres: o caso da Matinfeira - Paraná. In Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente (pp. 1-15). São Paulo: FEA-USP.

Niederle, P. A. (2016). Mercados como arenas de luta por reconhecimento : disputas morais na construção dos dispositivos de qualificação dos alimentos. Política & Sociedade, 15(33), 97-130.

Pierri, M. C. Q. M. (2010). Um recorte em território artificializado: agricultura familiar e comercialização na Feira dos Goianos - Gama/DF (Dissertação de mestrado). Universidade de Brasília, Brasília.

Plein, C., & Filippi, E. E. (2011). Capitalismo, agricultura familiar e mercados. Redes, 16(3), 98-121.

Polanyi, K. (1957). Aristotle Discovers the Economy. In: K. Polanyi, C. Arensberg & H. Pearson (Orgs.),Trade and Market in the Early Empires (p. 64‑94). Glencoe, Ill: Free Press and Falcon's Wing Press.

Potrich, R., Grzybovski, D., & Toebe, C. S. (2017). Sustentabilidade nas pequenas propriedades rurais : um estudo exploratório sobre a percepção do agricultor. Estudos Sociedade e Agricultura, 25(1), 208-228.

Pra, M., Sabourin, E., Petersen, P., & Silveira, L. (2016). Lógicas e estratégias de comercialização na agricultura familiar do Agreste da Paraíba. Estudos Sociedade e Agricultura, 24(1), 5-27.

Renting, H., Marsden, T. K., & Banks, J. (2003). Understanding alternative food networks: exploring the role of short food supply chains in rural development. Environment & Planning A, 35(3), 393-411.

Renting, H., Marsden, T. K., & Banks, J. (2017). Compreendendo as redes alimentares alternativas: o papel das cadeias curtas de abastecimento de alimentos no desenvolvimento rural. In: S. Schneider & M. Gazolla (Orgs.), Cadeias curtas e redes agroalimentares alternativas – negócios e mercados da agricultura familiar (pp. 27-52). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Ribeiro, E. M., Ângulo, J. L. G., Noronha, A. B., Castro, B. S., Galizoni, F. M., Calixto, J. S., & Silvestre, L. H. (2003). A feira e o trabalho rural no Alto Jequitinhonha : um estudo de caso. Unimontes Científica, 5(1), 1-20.

Sabourin, E. P. (2013). Comercialização dos produtos agrícolas e reciprocidade no Brasil. Estudos Sociedade e Agricultura, 21(1), 5-33.

Scarabelot, M., & Schneider, S. (2013). As cadeias agroalimentares curtas e desenvolvimento local: um estudo de caso no município de Nova Veneza/Sc. Revista Faz Ciência, 14(19), 101.

Schneider, S., & Gazolla, M. (2017). Cadeias curtas e redes agroalimentares alternativas. In: In: S. Schneider & M. Gazolla (Orgs.), Cadeias curtas e redes agroalimentares alternativas – negócios e mercados da agricultura familiar (1ª ed). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Silva, G. P., Balem, T. A., Silveira, P. R. C., & Bem, A. E. (2015). A constituição do SIAL (Sistema Agroalimentar Localizado) de São Francisco de Assis (RS) A partir de estratégias locais e políticas públicas. Organizações Rurais & Agroindustriais, 17(3), 302-317.

Sposito, E. C., & Abreu, L. S. (2017). Diversidade da produção familiar e da comercialização de produtos orgânicos de Vitória (ES). Redes, 22(3), 292-315.

Van Der Ploeg, J. D., Renting, H., Brunori, G., Knickel, K., Mannion, J., Marsden, T., de Roest, K., Sevilla-Guzman, E., & Ventura, F. (2000). Rural development : from practices and policies towards theory rural development : from practices and policies towards theory. Sociologia Ruralis, 40(4), 391-408.

Verano, T., & Medina, G. (2019). Comercialização por agricultores familiares em feiras municipais: quantificação, participação e localização no estado de Goiás. Interações, 20(4), 1045-1056.

Wanderley, M. D. N. B. (2003). Agricultura familiar e campesinato: rupturas e continuidade. Estudos Sociedade e Agricultura, 11(2), 20.

Wilkinson, J. (2003). A agricultura familiar ante o novo padrão de competitividade do sistema agroalimentar. Estudos Sociedade e Agricultura, 11(2), 62-87.
 


Submetido em:
17/09/2019

Aceito em:
15/10/2020

6014221d0e8825816921a482 resr Articles
Links & Downloads

resr

Share this page
Page Sections