Revista de Economia e Sociologia Rural
https://www.revistasober.org/article/doi/10.1590/1806-9479.2021.249024
Revista de Economia e Sociologia Rural
ARTIGO ORIGINAL

Organização social e gestão associativa rural entre mulheres no semiárido sergipano

Social organization and rural associative management among women in the Semiarid Region of Sergipe

Tatiana Frey Biehl Brandão; Luciano Celso Brandão Guerreiro Barbosa; Sonia Maria Pessoa Pereira Bergamasco

Downloads: 2
Views: 5721

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar os processos de gestão e as relações em torno da tomada de decisão na Associação de Mulheres “Resgatando sua História”, localizada no meio rural do Sertão de Sergipe. Com esse intuito, esta pesquisa foi desenvolvida sob uma ótica da interpretação interdisciplinar dos fatos observados, a partir da área de estudo das Ciências Sociais, utilizando uma abordagem qualitativa para a análise das informações coletadas. Para tal perspectiva analítica, os dados foram obtidos por meio de entrevistas individuais com todas as sócias e com cinco ex-integrantes da Associação; aplicação de questionário com dois técnicos de instituições parceiras; condução de grupo focal com as associadas; pesquisa documental; anotações em diário de campo; participação em reuniões ordinárias da Associação e observação sistemática. Graças às análises, verificou-se o protagonismo e a autonomia decisória das sócias na administração desse coletivo, bem como a apropriação pelas agricultoras-gestoras de instrumentos de controle, com a construção de um sistema de gestão adaptado a sua realidade e demandas. Assim, as mulheres desenvolveram uma autogestão das atividades da Associação e dos recursos endógenos de forma democrática e participativa, seguindo lógicas encontradas em literaturas sobre as formas de gestão de Empreendimentos Econômicos Solidários.

Palavras-chave

economia solidária, associativismo, autogestão, mulheres rurais, agricultura familiar

Abstract

Abstract:: The objective of this work is to analyze the management processes and the relationships around decision-making in the “Resgatando sua História” Women's Association, located in the rural area of the outback of Sergipe. With this in mind, this research was developed from the perspective of the interdisciplinary interpretation of the observed facts, from the Social Sciences area of study, using a qualitative approach to the analysis of the collected information. For such an analytical perspective, data were obtained through individual interviews with all members and with five former members of the Association; application of a questionnaire with two technicians from partner institutions; conducting a focus group with associates; documentary research; notes in a field diary; participation in regular meetings of the Association and systematic observation. Thanks to the analyses, the role and decision-making autonomy of the members in the administration of this collective was verified, as well as the appropriation by the farmer-managers of control instruments, with the construction of a management system adapted to their reality and demands. Thus, women developed a self-management of the Association's activities and endogenous resources in a democratic and participatory manner, following logics found in literature on forms of management of Solidarity Economic Enterprises.
 

Keywords

solidarity economy, associativism, self-management, rural women, family farming

Referências

Abramovay, R. (1992). Paradigmas do capitalismo agrário em questão. São Paulo/Campinas: Hucitec/Anpocs.

Almeida, S. G., Petersen, P., Freire, A. G., & Silveira, L. (2008). Caminhos da inclusão social no Agreste da Paraíba. Revista Agriculturas: Experiências em Agroecologia, 5(4), 18-22.

Backes, D. S., Colomé, J. S., Erdmann, R. H., & Lunardi, V. L. (2011). Grupo focal como técnica de coleta e análise de dados em pesquisas qualitativas. O Mundo da Saúde, 35(4), 438-442.

Baptista, V. F. (2014). A solidariedade na economia e a Economia Solidária das cooperativas. Otra Economía, 8(15), 128-140.

Barbosa, L. C. B. G. (2013). A pluriatividade na agroecologia como uma alternativa de desenvolvimento para o ambiente rural (Tese de doutorado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Bourdieu, P. (2006). O camponês e seu corpo. Revista de Sociologia e Política, 26, 83-92.

Bourdieu, P., & Sayad, A. (2006). A dominação colonial e o sabir cultural. Revista de Sociologia e Política, 26, 41-60.

Brandão, T. F. B., Borges, J. R. P., & Barbosa, L. C. B. G. (2016). O protagonismo feminino: um caso de convivência sustentável com o Semiárido nordestino no Brasil. Sustentabilidade em Debate., 7, 169-181.

Brandão, T. F. B. (2016). Mulheres empoderadas: uma experiência de gestão no Sertão Nordestino (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de São Carlos, Araras.

Brandenburg, A. (1999). Agricultura familiar: ONGs e desenvolvimento sustentável. Curitiba: UFPR.

Brandenburg, A. (2010). A colonização do mundo rural e a emergência de novos atores. Ruris, 4(1), 167-194.

Butto, A., Dantas, C., Hora, K., Nobre, M., & Faria, N. (2014). Mulheres Rurais e Autonomia: formação e articulação para efetivar políticas públicas nos Territórios da Cidadania. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Butto, A., & Dantas, I. (2011). Autonomia e cidadania: políticas de organização produtiva para as mulheres no meio rural. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Carmo, M. S. (2008). Agroecologia: novos caminhos para a agricultura familiar. Revista Tecnologia & Inovação Agropecuária, 1(1), 28-41. Recuperado em 20 de janeiro de 2021, de http://docplayer.com.br/14044710-Agroecologia-novos-caminhos-para.html

Chayanov, A. V. (1966). Peasant farm organization. In D. Thorner, B. Kerblay & R. E. F. Smith (Eds.), The theory of peasant economy: with a new introduction by Teodor Shanin. Wisconsin: The University of Wisconsin Press. Obra original publicada em 1925.

Chayanov, A. V. (1974). La organización de la unidad económica campesina. Buenos Aires: Nueva Visión.

Chayanov, A. V. (2017) A teoria das Cooperativas Camponesas (R. Vargas, Trad.). Porto Alegre: UFRGS. Obra original publicada em 1919.

Cortella, M. S., & Mussak, E. (2009). Liderança em foco. Campinas: Papirus 7 Mares.

Costa e Silva, L. (2018). As racionalidades da agricultura familiar agroecológica na gestão de seus estabelecimentos: um estudo no assentamento contestado – Lapa/PR (Tese de doutorado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Crepaldi, S. A. (2012). Contabilidade rural: uma abordagem decisorial (7ª ed.). São Paulo: Atlas.

Faria, J. H., & Faria, J. R. (2006). Poder e controle em organizações solidárias. In S. Pimenta, L. Saraiva & M. Corrêa (Eds.), Terceiro setor: dilemas e polêmicas. São Paulo: Saraiva.

Ferrante, V. L. S. B., & Duval, H. C. (2009). Vozes e ações das mulheres na trajetória dos assentamentos rurais. Retratos de Assentamentos, 12(12), 391-418.

França Filho, G. C. (2002). Terceiro setor, economia social, economia solidária e economia popular: traçando fronteiras conceituais. Bahia Análise & Dados, (1), 9-19.

Froehlich, J. M., Rauber, C. da C., & Carpes, R. H. (2014). Êxodo seletivo, masculinização e envelhecimento da população rural na Região Central do RS. Ciência Rural, 41(9), 1674-1680.

Furtado, C. (2009). O Nordeste: reflexões sobre uma política alternativa de desenvolvimento. In C. Furtado, T. B. Araújo, L. M. F. Carleial, A. Ferreira, M. C. Coutinho, M. C. Lima, V. A. Cepêda, A. N. Menezes Sá, C. Buarque, C. Cavalcanti & R. Ismael (Eds.), O pensamento de Celso Furtado e o Nordeste hoje. Rio de Janeiro: Contraponto, Centro Internacional Celso Furtado de políticas para o Desenvolvimento, Banco do Nordeste do Brasil.

Gil, A. C. (2009). Estudo de caso. São Paulo: Atlas.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2017). Censo agropecuário de 2017. Recuperado em 2 de outubro de 2020, de https://censos.ibge.gov.br/agro/2017/templates/censo_agro/resultadosagro/produtores.html

Lamarche, H. (1993). Introdução Geral. In H. Lamarche (Ed.), A agricultura familiar: comparação internacional (Vol. 1). Campinas: Unicamp.

Lavinas, L. (2010). Pobreza: métricas e evolução recente no Brasil e no Nordeste. Cadernos do Desenvolvimento, 5(7), 126-148.

Leff, E. (2006). Racionalidade ambiental: a reapropriação social da natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Lima, A. J. P. (1991). Situações administrativas e a complexidade dos processos de decisão-ação. In Anais do Encontro Anual da Associação Nacional de Programas de Pós-graduação em Administração, Belo Horizonte, MG.

Lipietz, A. (1991). Audácia: Uma alternativa para o século 21. São Paulo: Nobel.

Lisboa, A. M. (2005). Economia solidária e autogestão: imprecisão e limites. Revista de Administração de Empresas, 45(3), 109-115.

Lourenzani, W. L., & Souza Filho, H. M. (2005). Gestão integrada para a agricultura familiar. In H. Souza Filho & M. Batalha (Eds.), Gestão integrada da agricultura familiar. São Carlos: UFSCar.

Maluf, R. S. (2002). Produto agroalimentares, agricultura multifuncionalidade e desenvolvimento territorial no Brasil. In R. Luiz & F. Costa (Eds.), Mundo rural e cultura. Rio de Janeiro: Mauad.

Marion, J. C. (2003). Contabilidade empresarial (10ª ed.). São Paulo: Atlas.

Marion, J. C. (2006). Análise das demonstrações contábeis: contabilidade empresarial (3ª ed.). São Paulo: Atlas.

Martins, G. A. (2008). Estudo de caso: uma estratégia de pesquisa (2ª ed.). São Paulo: Atlas.

Melo, H. P., & Kreter, A. C. (2016). Quem são? Como vivem os idosos brasileiros do século XXI? Uma análise a partir da perspectiva de gênero. Revista da Associação Brasileira de Estudos Populacionais, 1(1), 1-18.

Mendras, H. (1984). La fin des paysans (2ª ed.). Paris: Actes Sud.

Metello, D. G. (2007). Os benefícios da associação em cadeias produtivas solidárias: o caso da justa trama: cadeia solidária do algodão agroecológico (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Nascimento, F. S., Calle-Collado, Á., & Benito, R. M. (2020). Economía social y solidaria y agroecología en cooperativas de agricultura familiar en Brasil como forma de desarrollo de una agricultura sostenible. C.I.R.I.E.C. España, (98), 189-211. Recuperado em 20 de junho de 2021, de https://www.researchgate.net/publication/340379116

Nobre de Lacerda, T. F., & Moruzzi Marques, P. E. (2008). A agricultura, representação territorial e reprodução social da agricultura familiar. RURIS, 2(2), 137-158. Recuperado em 6 de outubro de 2021, de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/ruris/article/view/675.

Nobre, M. (2003). Mulheres na economia solidária. In A. Cattani (Ed.), A outra economia. Porto Alegre: Veraz e Unitrabalho. Recuperado em 3 de setembro de 2018, de http://www.sof.org.br/wp-content/uploads/2015/07/MULHERES-NA-ECONOMIA-SOLIDARIA-Miriam-Nobre.pdf

Paulilo, M. I. S. (2003). Movimento de Mulheres Agricultoras: terra e matrimônio. In M. Paulilo & W. Schmidt (Eds.), Agricultura e espaço rural em Santa Catarina. Florianópolis: UFSC.

Paulilo, M. I. S. (2016). Mulheres rurais: quatro décadas de diálogo. Florianópolis: UFSC.

Perez-Marin, A. M., & Santos, A. P. S. (Eds.). (2014). O semiárido brasileiro: riquezas, diversidades e saberes. Campina Grande: INSA/MCTI.

Ploeg, J. D. V. (2006). O modo de produção camponês revisitado. In S. Schneider (Ed.), A diversidade da agricultura familiar. Porto Alegre: UFRGS.

Ploeg, J.D.V. (2008). Camponeses e impérios alimentares: lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalização (R. Pereira, Trad.). Porto Alegre: UFRGS. Obra original publicada em 2008.

Ploeg, J. D. V. D. (2015). El campesinado y el arte de la agricultura: un manifesto chayanoviano. México, D.F: Universidad Autónoma de Zacatecas, Red Internacional de Migración y Desarollo.

Richardson, R. J. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas (3ª ed.). São Paulo: Atlas.

Roesler, D. A. (2009). Racionalidades e práticas administrativas do agricultor familiar no contexto ambiental: um estudo em três comunidades rurais no sul da Região Metropolitana de Curitiba – Paraná (Tese de doutorado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Sabourin, E. (2009). Camponeses do Brasil: entre a troca mercantil e a reciprocidade (L. Milani, Trad.). Rio de Janeiro: Garamond. Obra original publicada em 2007.

Said, M. A., & Moreira, S. L. S. (2015). Mulheres e agroecologia: multiplicadoras agroecológicas transformando o semiárido. In K. Hora, G. Macedo & M. Rezende (Eds.), Coletânea sobre estudos rurais e gênero: Prêmio Margarida Alves (4ª ed., pp. 171-190), Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Santos, G. J., Marion, J. C., & Segatti, S. (2009). Administração de custos na agropecuária (4ª ed.). São Paulo: Atlas.

Schefler, M. L. N. (2013). Gênero, autonomia econômica e empoderamento, o real ao aparente: sistematização de processos de investigação-ação e/ou de intervenção social. Revista Feminismos, 1(3), 1-20.

Schneider, S. (Ed.). (2009). A diversidade da agricultura familiar (2ª ed.). Porto Alegre: UFRGS.

Siliprandi, E. (2013). Mulheres agricultoras: sujeitos políticos na luta por soberania e segurança alimentar. Recuperado em 8 de junho de 2020, de http://www.rimisp.org/wp-content/uploads/2013/05/Paper_Emma_Siliprandi-12.pdf

Siliprandi, E., & Cintrão, R. (2011) As mulheres agricultoras e sua participação no Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). In A. Butto, & I. Dantas (Eds.), Autonomia e cidadania: políticas de organização produtiva para as mulheres no meio rural. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Silva, M. K., & Oliveira, G. L. (2009). Solidariedade assimétrica: capital social, hierarquia e êxito em um empreendimento de “economia solidária”. Revista Katálysis, 12(1), 59-67.

Simonato, D. C., & Bergamasco, S. M. P. P. (2018). O que eles e elas produzem? A correlação entre envelhecimento e produção de alimentos: estudo de caso do assentamento gleba XV de novembro - SP. In Anais do II Congresso Nacional de Envelhecimento Humano, Campina Grande, PB. Recuperado em 18 de agosto de 2020, de https://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/50390

Singer, P. (2002). Introdução à economia solidária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Thiago, F., Kubo, E. K. M., Pamplona, J. B., & Farina, M. C. (2020). Estilo de gestão de produtores rurais. Revista de Economia e Sociologia Rural, 58(2), e188254. http://dx.doi.org/10.1590/1806-9479.2020.188254

Wanderley, M. N. B. (1996). Raízes históricas do campesinato brasileiro. In Anais do XX Encontro Anual da ANPOCS: GT 17. Processos Sociais Agrários. Caxambu.

Wanderley, M. N. B. (2003). Agricultura familiar e campesinato: rupturas e continuidade. Estudos Sociedade e Agricultura, 11(2), 42-61.

Wanderley, M. N. B. (Ed.). (2009a). Diversificação dos espaços rurais e dinâmicas territoriais no nordeste do Brasil. João Pessoa: Zarina Centro Cultural.

Wanderley, M. N. B. (2009b). Em busca da modernidade social: uma homenagem a Alexander V. Chayanov. In M. N. B. Wanderley (Ed.), O mundo rural como espaço de vida: reflexões sobre a propriedade da terra, agricultura familiar e ruralidade. Porto Alegre: UFRGS.

Wanderley, M. N. B. (2010). A sociologia rural na América Latina: produção de conhecimento e compromisso com a sociedade. Revista ALASRU Nueva Época, (5), 17-44. Recuperado em 20 de janeiro de 2016, de https://www.yumpu.com/es/document/view/12983661/alasru-nueva-epoca-no-5-revista-noviembre-2010

Wanderley, M. N. B. (2014). O campesinato brasileiro: uma história de resistência. Revista de Economia e Sociologia Rural, 52(Suppl. 1), 25-44. Recuperado em 20 de março de 2020, de https://www.scielo.br/pdf/resr/v52s1/a02v52s1.pdf

Whitaker, D. C. A. (2002). Sociologia rural: questões metodológicas emergentes. Presidente Venceslau: Letras à. Margem.
 


Submetido em:
21/02/2021

Aceito em:
27/02/2022

628d4d58a95395277b458643 resr Articles
Links & Downloads

resr

Share this page
Page Sections