Revista de Economia e Sociologia Rural
https://www.revistasober.org/article/doi/10.1590/1806-9479.2023.279993
Revista de Economia e Sociologia Rural
ARTIGO ORIGINAL

Valor econômico do trabalho de mulheres rurais em Sistemas Agroindustriais Familiares de Base Ecológica (SAFEs)

Economic value of rural women's work in Family-Based Ecological Agroindustrial Systems (SAFEs)

Milena Demetrio; Marcio Gazolla; Josiane Carine Wedig

Downloads: 0
Views: 440

Resumo

Este artigo busca analisar as contribuições das mulheres rurais nos Sistemas Agroindustriais Familiares de Base Ecológica (SAFEs), demonstrando quantas horas as famílias agricultoras trabalham em diversas atividades, quanta renda cada atividade gera e a importância do trabalho das agricultoras. Assim, por meio do método de avaliação econômico-financeiro do valor agregado foi possível levantar as horas trabalhadas de todos(as) os(as) integrantes da família, em quatro atividades: produção primária, agroindústria, comércio e trabalho doméstico, e, depois, calcular a contribuição financeira individual para a composição da renda familiar. A pesquisa foi aplicada em 12 SAFEs, nos anos de 2020 e 2021, na região Sudoeste do Paraná. Os resultados mostram que, além de desempenharem um papel central no processamento de alimentos, trabalhando cerca de 75% das horas na agroindustrialização, as mulheres participam ativamente da produção primária, na construção de mercados alimentares e da gestão dos SAFEs. Mais ainda, geram, em média, 28 mil reais/ano com o trabalho doméstico não remunerado, sendo 95% das horas trabalhadas por elas. Dessa forma, a pesquisa mostrou que a inclusão produtiva das mulheres não diminuiu sua carga de trabalho em atividades reprodutivas, ocasionando dupla jornada. Mesmo assim, elas buscam maiores níveis de autonomia, independência financeira e ocupam espaços públicos, antes reservados aos homens.

Palavras-chave

alimentação, agricultura familiar, economia feminista, valor agregado, desenvolvimento rural e regional

Abstract

Abstract: This paper aims to analyze the contributions of rural women in Ecologically Based Family Agroindustrial Systems (SAFEs), demonstrating how many hours farming families work in different activities, how much income each activity generates and the importance of women farmers' work. Thus, through the economic-financial assessment method of added value, it was possible to survey the hours worked of all family, in four activities: primary production, agroindustry, commerce and domestic work, and then calculate the individual financial contribution. for the composition of family income. The research was applied in 12 SAFEs, in the years 2020 and 2021, in the Southwest region of Paraná. The results show that, in addition to playing a central role in food processing, working around 75% of hours in agroindustrialization, women actively participate in primary production, in the construction of food markets and in the management of SAFEs. Furthermore, they generate, on average, 28 thousand reais/year from nom paid domestic work, with 95% of the hours worked by them. Thus, the research showed that the productive inclusion of women did not reduce their workload in reproductive activities, causing double shifts. Even so, they seek greater levels of autonomy, financial independence and occupy public spaces, previously reserved for men.

Keywords

food, family farmers, feminist economics, added value, rural and regional development

Referências

Abramovay, R. (1992) Paradigmas do capitalismo agrário em questão (1ª ed.). São Paulo: Edusp.

Agência de Notícias IBGE. (2019, abril 26). Mulheres dedicam quase o dobro do tempo dos homens em tarefas domésticas. Rio de Janeiro. Recuperado em 31 de outubro de 2021, de https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/24267-mulheres-dedicam-quase-o-dobro-do-tempo-dos-homens-em-tarefas-domesticas

Barbosa, L. (2009). Tendências da alimentação contemporânea. In M. Lavra Pinto & J. K. Pacheco (Eds.), Juventude, consumo e educação 2 (pp. 15-64). São Paulo: ESPM.

Barrett, C. B., Benton, T. G., Fanzo, J., Herrero, M., Nelson, R. J., Bageant, E., & Wood, S. (2020). Socio-technical innovation bundles for agri-food systems transformations. London: Cornell Atkinson Center for Sustainability and Springer Nature.

Bastian, L., Waquil, P. D., Amin, M. C., & Gazolla, M. (2014). Agroindústrias familiares e não familiares: uma análise comparativa. Redes, 19(3), 51-73. http://dx.doi.org/10.17058/redes.v19i3.2679

Boni, V. (2005). Produtivo ou reprodutivo: o trabalho das mulheres nas agroindústrias familiares: um estudo na região oeste de Santa Catarina (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Brumer, A. (2004). Gênero e agricultura: a situação da mulher na agricultura do Rio Grande do Sul. Estudos Feministas, 12(1), 360.

Brunori, G., Cerruti, R., Medeot, S., & Rossi, A. (2018). Looking for alternatives: the construction of the organic beef chain in Mugello, Tuscany. International Journal of Agricultural Resources, Governance and Ecology, 7(1/2), 126-143.

Capra, F. (2006). A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos (256 p.). São Paulo: Cultrix.

Carneiro, M. J. (2013). Mulheres no campo: notas sobre sua participação política e a condição social do gênero. Estudos Sociedade e Agricultura, 2(1), 11-22.

Carrasco, C. (2017). La economía feminista: un recorrido a través del concepto de reproducción. Ekonomiaz, 91(1), 53-77.

Carvalho, I. P. (2004). Os mundos das mulheres das agroindústrias do DF: espaços identitários, lugares de poder (1995-2002) (Tese de doutorado). Universidade de Brasília, Brasília.

Chayanov, A. (1974). La organización de la unidad económica campesina (342 p.). Buenos Aires: Editora Nueva Vision.

Demetrio, M. (2019). Percepções sobre o empoderamento socioeconômico e psicossocial das mulheres do campo de Guarapuava (Monografia de graduação). Universidade Estadual do Centro Oeste, Guarapuava.

Fanzo, J., Haddad, L., McLaren, R., Marshall, Q., Davis, C., Herforth, A., Jones, A., Beal, T., Tschirley, D., Bellows, A., Miachon, L., Gu, Y., Bloem, M., & Kapuria, A. (2020). The Food Systems Dashboard is a new tool to inform better food policy. Nature Food, 1(5), 243-246. http://dx.doi.org/10.1038/s43016-020-0077-y

Federici, S. (2019). Salários contra o trabalho doméstico (1975). In S. Federici (Ed.), O ponto zero da revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista. São Paulo: Editora Elefante.

Fernandez, B. P. M. (2018). Economia feminista: metodologias, problemas de pesquisa e propostas teóricas em prol da igualdade de gêneros. Revista de Economia Política, 38(3), 558-583. http://dx.doi.org/10.1590/0101-35172018-2815

Food and Agriculture Organization - FAO. (2011). El estado mundial de la agricultura y la alimentación: las mujeres en la agricultura cerrar la brecha de género en aras del desarrollo. Roma: FAO.

Food and Agriculture Organization - FAO. (2017). Global Panel Urban diets and nutrition: trends, challenges, and opportunities for policy action (Policy Brief, No. 9). London: Global Panel on Agriculture and Food Systems for Nutrition.

Fundo Internacional do Desenvolvimento Agrícola - FIDA. (2020). Cadernetas agroecológicas e as mulheres do semiárido de mãos dadas fortalecendo a agroecologia: resultados do uso das cadernetas nos projetos apoiados pelo FIDA no Brasil de agosto de 2019 a fevereiro de 2020. Salvador: FIDA.

Fundo Internacional do Desenvolvimento Agrícola - FIDA. (2021). Análise de um ano de uso das cadernetas agroecológicas nos projetos apoiados pela FIDA no Brasil. Salvador: FIDA.

Gazolla, M., Demetrio, M., Fantin, L. M., & Borelli, I. (2022). Agroindústrias rurais, políticas públicas e desenvolvimento regional: um perfil da agroindustrialização brasileira com base nos dados do Censo Agropecuário 2017. Redes, 27(1), 1-24. http://dx.doi.org/10.17058/redes.v27i1.16727

Gazolla, M., Lima, A. J. P., & Brignoni, C. (2018). Valor agregado em Sistemas Agroindustriais Familiares de Base Ecológica (SAFEs). Desenvolvimento e Meio Ambiente, 49, 239-263. http://dx.doi.org/10.5380/dma.v49i0.51681

Henning, C. C. (2010). Dinâmica agrária e desenvolvimento local: emergência e efeitos econômicos diretos e indiretos da agroindustrialização familiar de pequeno porte em Constantina/RS (Dissertação de mestrado). Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí.

Heredia, B. M. A., & Cintrão, R. P. (2006). Gênero e acesso a políticas públicas no meio rural brasileiro. Revista Nera, 9(8), 1-28. http://dx.doi.org/10.47946/rnera.v0i8.1443

Hirata, H. (2004). Trabalho doméstico: uma servidão voluntária. In M. Silveira & T. Godinho (Eds.), Gênero e feminismo: desvelando trajetórias. São Paulo: CEM/PMSP.

Hirata, H., & Kergoat, D. (2007). Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, 37(132), 595-609.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Sistema de Recuperação Automática de Dados - SIDRA. (2017). Censo agropecuário 2017. Rio de Janeiro.

Jesus, J. C., Wajnman, S., & Turra, C. M. (2018). Trabalho doméstico não remunerado no Brasil: uma análise da produção, consumo e transferência. In Anais do XXI Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Associação Brasileira de Estudos Populacionais.

Lima, A. P., Basso, N., Neumann, P. S., Santos, A. C., & Müller, A. G. (1995). Administração da Unidade de Produção Familiar: modalidade de trabalho com agricultores. Ijuí: Editora da UNIJUI.

Lutke, V., & Costa, C. (2019). Agroindústrias familiares, mercados institucionais e empoderamento das mulheres: uma discussão a partir de Santana do Livramento - RS. Campo-Território: Revista de Geografia Agrária, 14(32), 266-292.

Maluf, R. S. (2004). Mercados agroalimentares e agricultura familiar no Brasil: agregação de valor, cadeias integradas e circuitos regionais. Ensaios FEE, 25(1), 299-322.

Mior, L. C. (2005). Agricultores familiares, agroindústrias e redes de desenvolvimento rural. São Paulo: Argos.

Niederle, P., Schneider, S., & Cassol, A. (2021). Mercados alimentares digitais: inclusão produtiva, cooperativismo e políticas públicas. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Nobre, M. (2004). Trabalho doméstico e emprego doméstico. In A. A. Costa, E. M. Oliveira, M. E. B. Lima & V. Soares (Eds.), Reconfiguração das relações de gênero no trabalho (pp. 61-70). São Paulo: Cut Brasil.

Pacheco, M. E. L. (1997). Sistemas de produção: uma perspectiva de gênero. Proposta, 25(71), 30-38.

Paulilo, M. I. (1987). O peso do trabalho leve. Ciência Hoje, 5(28), 64-70.

Paulilo, M. I. (2013). FAO, fome e mulheres rurais. Dados: Revista de Ciências Sociais, 56(2), 285-310.

Paulilo, M. I. (2016). Mulheres rurais: quatro décadas de diálogo. Florianópolis: Editora UFSC.

Ploeg, J. D. V. (2008). Camponeses e impérios alimentares: lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalização. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Polanyi, K. (2000). A grande transformação: as origens da nossa época. São Paulo: Editora Campus.

Sassateli, R. (2015). Contestação e consumo alternativo: a moralidade política da comida. Tessituras, 3(2), 10-34.

Schwendler, S. F. (2009). A participação da mulher na luta pela terra: dilemas e conquistas. In B. M. Fernandes, L. S. Medeiros & M. I. Paulilo (Eds.), Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas. São Paulo: Editora UNESP.

Siliprandi, E. (2015). Mulheres e agroecologia: transformando o campo, as florestas e as pessoas. Rio de Janeiro: UFRJ.

Sousa, E. (2019). Atributos de qualidade valorizados pelos consumidores de produtos agroalimentares em cadeias curtas de proximidade espacial (Dissertação de mestrado). Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São Paulo.

Veiga, J. E. (1991). O desenvolvimento agrícola: uma visão histórica. São Paulo: Hucitec.

Wilkinson, J. (2008). Mercados, redes e valores: o novo mundo da agricultura familiar. Porto Alegre: Editora da UFRGS.
 


Submetido em:
31/10/2023

Aceito em:
19/01/2024

66211bd5a953952133106db2 resr Articles
Links & Downloads

resr

Share this page
Page Sections